• Cartas à Manu

    Cartas à Manu: Sobre paredes e metáforas

    Querida Manu, Todos nós estamos muito felizes com suas novas experiências em terras distantes. Seu avanço nos estudos, suas vivências profissionais, sua vida com novos amigos e amigas com quem instalou, recentemente, seu novo canto: uma casa encantadora em uma rua histórica de Dublin. Lá, estão sua estação de trabalho e o espaço para filmagens de seus vídeos. Aqui, caminhamos mantendo o otimismo inabalável; o pensamento que cultiva a abundância de uma vida plena: materialmente, espiritualmente, socialmente. A viver cada vez com mais desprendimento, menos julgamentos a si mesmo e ao outro. Você sabe, dessa forma nossos passos são firmes na jornada. Atrasei um pouco minha agenda de duas cartas…

  • Cartas à Manu

    Cartas à Manu: Resistência, broas e silêncios

    Amada Manu Em cada linha que escrevo, pode parecer que a todo momento falo de saudade. Aquela saudade que se revelou adiantada naquele capítulo do Calhamaço de Viagem; saudade controlada pela felicidade de te ver feliz. Longe ou perto, o amor é algo surpreendente. Liberto de amarras, nos oferece doces frutos. O outro feliz é força descomunal para seguirmos em frente; o outro feliz é energia duradoura. A distância é simbólica, quase inexistente quando caminhamos juntos. Vejo agora, com direito a fotos, você pelas ruas de Dublin. Novos amigos. Novas paisagens, sentimentos renovados. Você no mapa do WhatsApp em tempo real. Você na busca de ser feliz. Hoje, você me…

  • Cartas à Manu

    Cartas à Manu: Carona Civilizatória

    Querida Manu, São tempos quentes aqui no Brasil. A temperatura de quase verão passa de 35 graus em várias regiões. Em Blumenau, nem se fala. Bem diferente do que você vive em Dublin, com termômetros perto de zero. Mas o quente é também a reação da maioria da sociedade civil e mídia esclarecidas com a proximidade da posse do novo governo conservador, para ficar em um eufemismo. Momento em que as conquistas civilizatórias de décadas serão abandonadas pelas políticas públicas. Mais ainda: seguidores ingênuos que antes do tsunami do atraso não compreendiam que o progresso é inexorável, hoje se auto intitulam senhores da pós-verdade, que a todos nos salvarão. Um…

  • Notas da história

    Novo livro do Rovai

    Chegou minha leitura de verão, o novo livro de Renato Rovai, grande amigo de quase duas décadas na seara do jornalismo digital. Primeira impressão: um trabalho de fôlego, que merece uma leitura com um lápis na mão. Memória ainda viva do que vivemos nesse tempo de luta, muita luta; mas também muito aprendizado. Valeu, Rovai!

  • Cartas à Manu

    Cartas à Manu: Sobre a libertação de modelos prontos

    Querida Manu, Você colocou os pés no velho mundo e aquela primeira imagem em terras distantes contrastou o céu escuro com a nossa alegria. Uma jornada e tanto: toda a preparação, a espera e, na reta final, os últimos quinze dias antes do embarque, aqueles encontros de amigos, um almoço fraterno, o café da manhã no dia do embarque, o trajeto de van até o aeroporto de Navegantes. As inevitáveis emoções e o choro antes de você entrar na sala de embarque. Nosso grito “é tetra!” ecoou em todo o saguão do NVT antes de vermos você e Brunão aparecerem na pista para o embarque; uma aventura em que o…