Notas da história

“Voltamos aos tempos primitivos”

MANOEL FERNANDES NETO
ESPECIAL PARA A FOLHA

Publicado originalmente na Folha de São Paulo

Sem chuva ininterrupta desde terça, a tensão passou. A quantidade de água no sábado e domingo foi algo que não tive referência mesmo após eu ter morado durante mais de 20 anos na cidade de São Paulo, de ruas alagadas e congestionamento nas marginais a cada chuvinha. Aqui, diferentemente, a enchente não ficou encaixotada eletronicamente pelas notícias da TV, algo distante. Ela estava na porta de todos. Na rua transformada em rio caudaloso, nas crateras abertas nas avenidas, na terra que rolou de montes e morros.

Blumenau é um vale. Difícil a rua que não tenha um morro a menos de 200 metros. Foi esta a situação mais grave; a terra que desceu, jogando casas sobre outras casas. Uma amiga me ligou na noite de sábado. Mora em sobrado bom. Em um bairro alto. Foi categórica: “Entra água pelas tomadas, parece cano quebrado”. Deixou rapidamente a casa, que resistiu bravamente. Outras não tiveram tanta sorte.

Na mesma noite, um estrondo cortou a energia das ruas de trás daquela em que moro. Vizinhos na calçada. Na manhã, a constatação de que mais um morro viera abaixo. Algo tão perto. Tão real daquilo que para nós são notícias de jornal.

Agora, a tristeza toma conta dos moradores. A água baixou. Difícil não ficar sensibilizado, tocado, por mais racional que se possa ser. Blumenau é um corpo inerte, com suas vísceras expostas. O cenário é de fim de mundo cinematográfico, algo que lembra o seriado Jericho [série sobre moradores do Kansas depois de um ataque nuclear], que recentemente passou na TV a cabo.

No entanto, nada aqui é fantasia. A dor é real e não baixou com as águas. Casas, antes livres de enchente, agora à mercê de deslizamentos. O solo derrete pelo volume das águas. O olhar das pessoas ainda procura soluções para dúvidas permanentes e alternativas urgentes. O telefone não pára de tocar com pedidos de auxilio. Nos sentimos impotentes.

Cem por cento da cidade está sem abastecimento de água desde sábado. Voltamos aos tempos primitivos. Percebemos como desperdiçamos água em um banho de chuveiro de cinco minutos em situações normais. Hoje ficamos felizes com meio balde, e temos certeza de que nunca estivemos tão revigorados.

Para os homens e chefes da casa, como eu, soluções para tempos de sobrevivência: defeco e enterro os rejeitos no quintal, para economizar. Mas isto é o de menos. Muitos perderam tudo. A casa do pai de uma grande amiga foi soterrada por uma montanha. Era um local rural, paradisíaco, com direito a cachoeira ao lado da casa. Será quase impossível encontrar os corpos.
Quem está vivo, agradece a Deus. Procuro manter o ânimo, principalmente por causa das minhas filhas, apesar de uma vontade sufocada de chorar. A certeza: depois do choque, a cidade vai reagir. Este novembro de 2008 também entrará para a História de Blumenau.

MANOEL FERNANDES NETO, 45, é jornalista e mora em Blumenau desde 2002. O bairro onde vive ficou isolado, apesar de a enxurrada não ter afetado sua casa. Casado, tem duas filhas.

Foto: Photo free by Erik Witsoe on Unsplash

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *